Página inicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquise No Site
Este site usa cookies para fornecer nossos serviços, melhorar o desempenho, para análises e (se não estiver conectado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing, você reconhece que leu e entendeu nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade . Seu uso do site e dos serviços está sujeito a essas políticas e termos.
Hide this

Resultados do Google Livros

Clique em uma foto para ir ao Google Livros

Inho de Jean-Paul Sartre
Carregando...

Inho (original: 1938; edição: 1999)

de Jean-Paul Sartre

MembrosResenhasPopularidadeAvaliação médiaMenções
8,68866705 (3.76)160
Nausea is the story of Antoine Roquentin, a French writer who is horrified at his own existence. In impressionistic, diary form he ruthlessly catalogs his every feeling and sensation. His thoughts culminate in a pervasive, overpowering feeling of nausea which "spreads at the bottom of the viscous puddle, at the bottom of our time -- the time of purple suspenders and broken chair seats; it is made of wide, soft instants, spreading at the edge, like an oil stain."Winner of the 1964 Nobel Prize in Literature (though he declined to accept it), Jean-Paul Sartre -- philosopher, critic, novelist, and dramatist -- holds a position of singular eminence in the world of French letters. La Nausee, his first and best novel, is a landmark in Existential fiction and a key work of the twentieth century.… (mais)
Membro:klasse
Título:Inho
Autores:Jean-Paul Sartre
Informação:Helsinki : Tammi, 1999
Coleções:Sua biblioteca
Avaliação:
Etiquetas:Nenhum(a)

Detalhes da Obra

Nausea de Jean-Paul Sartre (1938)

  1. 40
    Memórias do Subsolo de Fyodor Dostoevsky (trillkhidr)
    trillkhidr: Perhaps an obvious connection, but one that I nevertheless could not fail to return to again and again throughout my reading of Nausea. Is Antoine a man underground?
  2. 30
    O Estrangeiro de Albert Camus (roby72)
  3. 20
    The Words de Jean-Paul Sartre (John_Vaughan, John_Vaughan)
  4. 10
    The Doors of Perception de Aldous Huxley (kaityjames)
    kaityjames: Huxley views art as a pale imitation of objects as they ARE; Sartre finds existence disgusting and obscene, and art as a beautiful form above and beyond reality. Definitely compatible if you can dig Sartre's dark, existential language.
  5. 10
    Homo Faber de Max Frisch (thecoroner)
  6. 10
    The Notebooks of Malte Laurids Brigge de Rainer Maria Rilke (roby72)
  7. 10
    The Moviegoer de Walker Percy (erezv)
  8. 00
    The Time of Indifference de Alberto Moravia (JuliaMaria)
  9. 00
    Les Mains Sales de Jean-Paul Sartre de Marc Buffat (John_Vaughan)
  10. 00
    Journey to the End of the Night de Louis-Ferdinand Céline (thecoroner)
  11. 00
    The Passion According to G.H. de Clarice Lispector (Mouseear)
  12. 00
    The Remains of the Day de Kazuo Ishiguro (SamuelW)
    SamuelW: Although The Remains of the Day has none of Nausea's philosophical depth, there are close similarities in theme, plot and technique which make the two books a remarkable pair.
  13. 01
    Dead Certainties : Unwarranted Speculations de Simon Schama (Sea92)
    Sea92: Nausea is more of a philosophical work, but both authors explore chasm between the reality of the past and history as it is written. These are issues that historians must deal with.
Carregando...

Registre-se no LibraryThing tpara descobrir se gostará deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Veja também 160 menções

Inglês (48)  Italiano (4)  Sueco (3)  Espanhol (3)  Português (Brasil) (2)  Francês (2)  Holandês (1)  Alemão (1)  Finlandês (1)  Todos (1)  Todos os idiomas (66)
Exibindo 2 de 2
CX15
  Taddone | Nov 25, 2019 |
Neste romance, um homem caminha por uma cidade estranha e, tomado por estranho mal-estar, percebe o absurdo da condição humana. "A náusea" é um trabalho experimental, sem um herói verdadeiro, apenas um personagem principal, Roquentin, que passa o romance todo tentando compreender a existência e sua essência. Sentado no bonde ou olhando por uma janela, Roquentin se sente subitamente incapacitado para inserir cada item no seu devido contexto - pelo menos num contexto que seres humanos possam entender. Ele começa com uma ilusão familiar: os edifícios parecem estar movendo-se, ao invés do carro elétrico. Cada movimento, cada objeto tornam-se assim uma referência para Roquentin. Enquanto pondera sobre a ilusão e descansa a mão no banco, percebe que não sente ali um ¨banco¨ ou "assento", mas algo que em nada lhe é familiar. O banco não é mais um lugar porque ele não mais associa claramente a palavra "banco" a sua função. Roquentin sofre de alucinações ? Está tendo um colapso mental? Ou vivendo uma espécie de amadurecimento ? "As coisas estão divorciadas de seus nomes... Estou sozinho e indefeso no meio de coisas sem nome, que me circundam". De acordo com o crítico Walter Kaufmann, o romance foi uma auto-exploração, por Sartre, de sua própria jornada filosófica. "La Nausée" cimentou a posição dele como importante pensador. Sartre poderia ter-se dado ao luxo de ser obscuro, ao invés de triste, surreal e irrealista em tom monótono. Em A Náusea, porém, revelou-nos um possível sentido para o mundo onde um homem comum desvenda a incrível fertilidade de seu próprio caos e, através dessa possibilidade, sai da condicionante 'gaiola' humana - melhor dizendo, transpõe o muro sartriano - e descobre a nossa verdadeira natureza posta em xeque pelos grilhões da identidade e pelos papéis aos quais fomos condicionados. Esta parece ser a mensagem 'positiva' do existencialismo. Perdemos nossa humanidade sem termos resolvido nosso desumano e mal-remendado conjunto de escolhas. Em compensação, adquirimos uma espécie de consciência engajada, brilhante e cheia de surpresas. ( )
  jgcorrea | Jan 1, 2019 |
Exibindo 2 de 2
Sartre's name, I understand, is associated with a fashionable brand of cafe philosophy and since for every so-called "existentialist" one finds quite a few "suctorialists" (if I may coin a polite term), this made-in- England translation of Sartre's first novel, "La Nausée" (published in Paris in 1938) should enjoy some success. It is hard to imagine except in a farce) a dentist persistently pulling out the wrong tooth. Publishers and translators, however, seem to get away with something of that sort. Lack of space limits me to only these examples of Mr. Alexander's blunders.
adicionado por John_Vaughan | editarNY Times, VLADIMIR NABOKOV (Jun 2, 2012)
 

» Adicionar outros autores (31 possíveis)

Nome do autorFunçãoTipo de autorObra?Status
Jean-Paul Sartreautor principaltodas as ediçõescalculado
Aardweg, H.P. v.d.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Alexander, LloydTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Baldick, RobertTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bernárdez, AuroraTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bernárdez, AuroraTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Carp, E. A. D. E.Introduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Carruth, HaydenIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Caruso, PaoloContribuinteautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Cosman, CarolTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Fonzi, BrunoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mañas, José ÁngelPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mannerkorpi, JuhaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Você deve entrar para editar os dados de Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Compartilhado.
Título canônico
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Título original
Títulos alternativos
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Lugares importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Eventos importantes
Filmes relacionados
Premiações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
'He is a fellow without any collective significance, barely an individual.'
L. F. Céline, The Church
Dedicatória
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
TO THE BEAVER
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
These notebooks were found among the papers of Antoine Roquentin. ("Editors' Note")
The best thing would be to write down events from day to day.
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
"I live in the past. I take everything that has happened to me and arrange it. From a distance like that, it doesn't do any harm, you'd almost let yourself be caught in it. Our whole story is fairly beautiful. I give it a few prods and it makes a whole string of perfect moments. Then I close my eyes and try to imagine that I'm still living inside it."
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Clique para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Aviso de desambiguação
Editores da Publicação
Autores Resenhistas (normalmente na contracapa do livro)
Idioma original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
CDD/MDS canônico
Canonical LCC

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (1)

Nausea is the story of Antoine Roquentin, a French writer who is horrified at his own existence. In impressionistic, diary form he ruthlessly catalogs his every feeling and sensation. His thoughts culminate in a pervasive, overpowering feeling of nausea which "spreads at the bottom of the viscous puddle, at the bottom of our time -- the time of purple suspenders and broken chair seats; it is made of wide, soft instants, spreading at the edge, like an oil stain."Winner of the 1964 Nobel Prize in Literature (though he declined to accept it), Jean-Paul Sartre -- philosopher, critic, novelist, and dramatist -- holds a position of singular eminence in the world of French letters. La Nausee, his first and best novel, is a landmark in Existential fiction and a key work of the twentieth century.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo em haiku

Capas populares

Links rápidos

Avaliação

Média: (3.76)
0.5 5
1 36
1.5 5
2 103
2.5 18
3 358
3.5 85
4 490
4.5 56
5 382

É você?

Torne-se um autor do LibraryThing.

Penguin Australia

2 edições deste livro foram publicadas por Penguin Australia.

Edições: 014118549X, 0141194847

 

Sobre | Contato | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blog | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Históricas | Os primeiros revisores | Conhecimento Comum | 163,250,780 livros! | Barra superior: Sempre visível