Página inicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquise No Site
Este site usa cookies para fornecer nossos serviços, melhorar o desempenho, para análises e (se não estiver conectado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing, você reconhece que leu e entendeu nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade . Seu uso do site e dos serviços está sujeito a essas políticas e termos.

Resultados do Google Livros

Clique em uma foto para ir ao Google Livros

Carregando...

The Museum of Innocence

de Orhan Pamuk

Outros autores: Veja a seção outros autores.

MembrosResenhasPopularidadeAvaliação médiaMenções
2,264697,076 (3.52)129
It is 1975, a perfect spring in Istanbul. Kemal, scion of one of the city's wealthiest families, is about to become engaged to Sibel, daughter of another prominent family, when he encounters Fusun, a beautiful shopgirl and a distant relation. Thus begins an obsessive but tragic love affair that will transform itself into a compulsive collection of objects--a museum of one man's broken heart--that chronicle Kemal's lovelorn progress and his afflicted heart's reactions.… (mais)
  1. 00
    The Infatuations de Javier Marías (shaunie)
    shaunie: Not a positive recommendation I'm afraid - both feel interminably long and very little happens in either, although both are beautifully written.
Carregando...

Registre-se no LibraryThing tpara descobrir se gostará deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Veja também 129 menções

Inglês (56)  Espanhol (5)  Italiano (3)  Francês (2)  Dinamarquês (1)  Holandês (1)  Catalão (1)  Todos os idiomas (69)
Mostrando 1-5 de 69 (seguinte | mostrar todas)
"The Museum of Innocence by Orhan Pamuk (Knopf) Istanbul, 1975, and the wealthy young narrator is about to become engaged to his social equal. It’s the ideal match, but he becomes involved with a distant cousin. Suddenly all the carefully made plans shatter. The cultural tensions of East meets West explode in the background of this intense, ambitious story in which a man seeks contentment through obsessive collecting. Edgy and candid, it is compelling stuff." Eileen Battersby of The Irish Times
  featherbooks | May 7, 2024 |
Ӕ
  AnkaraLibrary | Feb 23, 2024 |
Libro tedioso y sumamente aburrido, lo hubiera entendido mejor si se llamara "Estambul historia y sociedad siglo XX" pero la única parte que realmente habla en concreto sobre el museo y es entrañable es donde el protagonista deja precisamente espacio al escritor al final. Quizá este último capítulo debió ser realmente el libro.

Lo que al principio parecía una historia de amor desgarradora, pronto se convirtió en una historia que hablaba de la obsesión, donde Fussun nada tiene que ver con el personaje endiosado del museo y más parece que nos habla de una chica berrinchuda. Siempre he pensado que para un autor debe ser terrible que abandonen su libro, pero ahora pienso que es peor que uno salte y salte páginas esperando encontrar algo y seguir pasando de largo, como me pasó con este libro.

Si tuviera que resumirlo en una sola palabra, esa sería "insufrible." ( )
  uvejota | Jul 26, 2023 |
Very long and obsessive protagonist. Metafiction--interesting
  MarthaSpeirs | Jun 8, 2023 |
La trama es una historia melodramática:el amor obsesivo de un joven estambulí rico y europeizado por una parienta relativamente pobre. Además de la distancia social, él está comprometido. En un primer momento, todo parece ser una simple aventura, pero luego ella (la amante) desaparece misteriosamente, y él la busca por toda la ciudad. Llega a confesarle su situación a su novia y poco a poco se va hundiendo en la mierda. Esta es la parte más lenta y oscura de la novela. Al fin, tras romper con la novia, encuentra a su amante, que ahora vive con sus padres y está casada. Él consigue formar parte de la familia y durante años acude a cenar varias veces por semana, y hasta monta un negocio de cine con el marido de su lejana prima. No contaré aquí el desenlace final, claro.

Esta historia, como digo, podría ser de una telenovela turca o venezolana al uso (ahora se llaman series). Lo interesante, creo yo, son los recursos literarios que Pamuk utiliza y que de vez en cuando le han ido sorprendiendo. Todo está contado en primera persona, pero es como si el protagonista estuviera contando su historia a un grupo de visitantes de un museo de objetos relacionados con la historia, es decir, con su historia. Y es que desde muy pronto se observa la importancia de los objetos. Kemal, el protagonista, se cita con su prima Füsün en un piso que la madre de él utilizaba como trastero, y él también va llevando allí todos los objetos que ella ha tocado o que tienen que ver con ella, desde vestidos hasta colillas. Eso será la base de su colección, que luego será un museo. Mi sorpresa fue mayúscula cuando resultó que el museo es real y está situado en Estambul, justo donde dice la novela, y que fue creado por el autor de forma paralela a la escritura de la novela. Pero en la parte final se cuenta la historia del museo de una forma muy diferente y mucho más interesante que no desvelaré aquí, aunque probablemente a estas alturas mucha gente lo sabrá. Pero sí diré que en esta parte se hacen muy interesantes reflexiones sobre el papel de los objetos y la museización de la memoria, además de mencionar muchos museos similares por todo el mundo que a uno le dan ganas de visitar. Hay que mencionar también los "cameos" del propio autor, Orhan Pamuk, que empiezan con una aparición episódica pero acabarán siendo mucho más. Y, por último, de fondo las transformaciones de la sociedad de Estambul en el último tercio del siglo pasado,siempre entre Europa y Asia, siempre con la tensión entre la tradición y la occidentalización, contado siempre de manera indirecta y suave, pero clara a la vez.

En resumen, sobre una trama convencional, el autor se las apaña para ir sorprendiendo al lector con recursos literarios muy originales, al menos para mí. Sin embargo, también hay que decir que a veces la novela se hace lenta y pantanosa, sobre todo en su parte central, con la desesperada búsqueda de Füsün por toda Estambul, o con el último intento de la novia por salvar su relación con el protagonista. Yo creo que con algunas páginas menos la novela habría ganado bastante. ( )
  caflores | Apr 16, 2023 |
Mostrando 1-5 de 69 (seguinte | mostrar todas)
"The Museum of Innocence" deeply and compellingly explores the interplay between erotic obsession and sentimentality -- and never once slips into the sentimental. There is a master at work in this book.
adicionado por Shortride | editarLos Angeles Times, Tim Rutten (Oct 21, 2009)
 
"The Museum of Innocence" is a deeply human and humane story. Masterfully translated, spellbindingly told, it is resounding confirmation that Orhan Pamuk is one of the great novelists of his generation. With this book, he literally puts love into our hands.
adicionado por SqueakyChu | editarThe Washington Post, Marie Arana (Oct 20, 2009)
 

» Adicionar outros autores (39 possíveis)

Nome do autorFunçãoTipo de autorObra?Status
Pamuk, Orhanautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Dorleijn, MargreetTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Freely, MaureenTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
La Rosa Salim, BarbaraTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Meier, GerhardTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Oklap, EkinTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Você deve entrar para editar os dados de Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Compartilhado.
Título canônico
Título original
Títulos alternativos
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Lugares importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Eventos importantes
Filmes relacionados
Epígrafe
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
These were innocent people, so innocent that they thought poverty a crime that wealth would allow them to forget. - from the notebooks of Celâl Salik
If a man could pass thro' Paradise in a Dream, and have a flower presented to him as a pledge that his Soul had really been there, and found that flower in his hand when he awoke - Aye? and what then? - from the notebooks of Samuel Taylor Coleridge
First I surveyed the little trinkets on the table, her lotions and her perfumes. I picked them up and examined them one by one. I turned her little watch over in my hand. Then I looked at her wardrobe. All those dresses and accessories piled one on top of the other. These things that every woman used to complete herself - they induced in me a painful and desperate loneliness; I felt myself hers, I longed to be hers. - from the notebooks of Ahmet Hamdi Tanpinar
Dedicatória
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
To Rüya
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em alemão. Edite para a localizar na sua língua.
Es war der glücklichste Augenblick meines Lebens, und ich wusste es nicht einmal.
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
It was the happiest moment of my life , though I didn’t know it. Had I known , had I cherished this gift , would everything have turned out differently ? Yes, if I had recognized this instant of perfect happiness, I would have held it fast and never let it slip away.
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Clique para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
(Clique para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Aviso de desambiguação
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Not to be confused with L'innocenza degli oggetti. Il Museo dell'innocenza, Istanbul (English title: The Innocence of Objects; original title: Şeylerin Masumiyeti)
Editores da Publicação
Autores Resenhistas (normalmente na contracapa do livro)
Idioma original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
CDD/MDS canônico
LCC Canônico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (2)

It is 1975, a perfect spring in Istanbul. Kemal, scion of one of the city's wealthiest families, is about to become engaged to Sibel, daughter of another prominent family, when he encounters Fusun, a beautiful shopgirl and a distant relation. Thus begins an obsessive but tragic love affair that will transform itself into a compulsive collection of objects--a museum of one man's broken heart--that chronicle Kemal's lovelorn progress and his afflicted heart's reactions.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo em haiku

Current Discussions

Nenhum(a)

Capas populares

Links rápidos

Avaliação

Média: (3.52)
0.5 3
1 15
1.5 3
2 32
2.5 8
3 92
3.5 24
4 97
4.5 19
5 62

É você?

Torne-se um autor do LibraryThing.

 

Sobre | Contato | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blog | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Históricas | Os primeiros revisores | Conhecimento Comum | 208,313,809 livros! | Barra superior: Sempre visível