Página inicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquise No Site
Este site usa cookies para fornecer nossos serviços, melhorar o desempenho, para análises e (se não estiver conectado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing, você reconhece que leu e entendeu nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade . Seu uso do site e dos serviços está sujeito a essas políticas e termos.
Hide this

Resultados do Google Livros

Clique em uma foto para ir ao Google Livros

Carregando...

A Volta ao Mundo em 80 Dias (1873)

de Jules Verne

Outros autores: Veja a seção outros autores.

Séries: The Extraordinary Voyages (11)

MembrosResenhasPopularidadeAvaliação médiaMenções
13,309223323 (3.82)420
In 1872, English gentleman Phileas Fogg has many adventures as he tries to win a bet that he can travel around the world in eighty days.
Carregando...

Registre-se no LibraryThing tpara descobrir se gostará deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Veja também 420 menções

Inglês (193)  Espanhol (6)  Italiano (4)  Francês (3)  Holandês (3)  Português (Brasil) (3)  Dinamarquês (2)  Sueco (2)  Alemão (1)  Português (Portugal) (1)  Português (1)  Catalão (1)  Hebraico (1)  Todos os idiomas (221)
Exibindo 3 de 3
A aventura da volta ao mundo em 80 dias de Julio Verne desta feita narrada em audio livro. ( )
  omyasuda | Jul 20, 2020 |
CX15
  Taddone | Nov 25, 2019 |
JÚLIO VERNE E O SEGREDO DA ETERNA JUVENTUDE

Por C. S. Soares

Jorge Luis Borges, o visionário argentino, em seu prefácio de A Máquina do Tempo e O Homem Invisível, de H. G. Wells, publicados pela editora Hyspamerica, na década de 80, resignava-se: “As ficções de Wells foram os primeiros livros que eu li; talvez sejam os últimos”. Para que se cumprisse o que estava escrito, “el maestro” morreria poucos meses depois. Como exercício meramente lúdico, um inofensivo (assim o espero) jogo de palavras, imagino que se trocássemos as posições das palavras ficções e livros na frase de Borges não estaríamos longe de uma segunda realidade. Ainda que, desde então, a realidade venha competindo com a ficção (me arriscaria afirmar que, em relação ao que chamamos de “fantástico”, tenha vencido), existem livros que jamais fecharemos, seguirão conosco vida afora. Livros, cujas leituras e releituras (mesmo depois de virada a última página), jamais concluiremos.

É uma experiência (fantasmática) que vivencio com os livros de um outro mestre da Ficção Cientifica, contemporâneo de Wells: Jules Verne. Cortázar, o mestre argentino do conto fantástico, confessou em uma entrevista a Joaquín Soler Serrano a mesma admiração por Verne (Cortázar intitularia seu livro de contos, de 1967, La vuelta al día en ochenta mundos em homenagem ao autor do clássico A volta ao mundo em oitenta dias).

A partir das obras de Verne e Wells (como concluíra Borges em seu já citado prefácio) “a imaginação aceitava o prodigioso, sempre que sua raiz fosse científica, não sobrenatural”.

Jules Gabriel Verne Allote, considerado por muitos o pai deste gênero literário chamado Ficção Científica, nasceu no nº4 da rua Olivier-de-Clisson, Ile Feydeau, Nantes, França, em 8 de fevereiro de 1828.

Foi o mais velho dos cinco filhos de Pierre Verne (advogado) e Sophie Allote de la Fuÿe (de família burguesa) e desde cedo teve como grande estímulo para o desenvolvimento da imaginação do autor o fato de viver na proximidade do porto e das docas de Nantes.

Sabemos de Verne que acompanhou o pai na sua mudança para Paris, em 1848, em busca de uma melhor clientela. Lá dividia o tempo entre o estudo do Direito e a Literatura. Conheceu os escritores Alexandre Dumas e Victor Hugo e foi secretário do Thêatre Lyrique. Sua primeira peça de teatro Les Pailles Rompues estreeou em Paris no ano de 1850. Verne contava então com 22 anos. Em 1851, publicou o seu primeiro conto de ficção científica, Un Voyage En Ballon.

Em Paris, estudou o direito. Trabalhou como corretor de ações e casou-se com Honorine de Viane Morel, viúva com duas filhas, em 1857. Em 1861, nasceu seu único Michel Jean Pierre Verne.

Em uma entrevista publicada pelo Jornal do Commercio em 15 de outubro de 1902, três anos antes de sua morte, Jules Verne previu: “O mundo do futuro só apreciará como documentos psicológicos ou sociais dos nossos tempos, as coleções de jornais e de revistas. Também se interessará um pouco pelas histórias fantásticas, científicas, na forma de um Edgar Poe, de um Villiers de L’Isle-Adam, de um Wells e de um, Jules Verne”.

Verne, o arquiteto do fantástico, previu em suas obras inovações tecnológicas que, hoje, fazem parte do nosso dia a dia: o helicóptero, a televisão, o satélite artificial, o videocassete, o plástico, a videoconferência, entre outros. Considera-se possível que tenham surgido, justamente, por causa da leitura de seus livros, onde sua própria imaginação, registrada em suas histórias fantásticas, antecipava a realidade, algo como um “penso, logo existe”, o pensamento como construtor da realidade.

Arrisco-me a dizer que a própria conquista dos ares pelo brasileiro Santos-Dumont se deve, em grande parte, à sua relação com os livros de Verne. Santos-Dumont afirmava ter sido inspirado pelas aventuras criadas pela imaginação do escritor francês. Com o capitão Nemo, o jovem Santos-Dumont explorou os oceanos; com Phileas Fogg, deu a volta ao mundo em 80 dias; com Heitor Servadac, navegou o espaço. Mais tarde, quando o próprio Santos-Dumont já era quase visto como um dos fantásticos personagens de Verne, se tornaria amigo do escritor e, juntos, ajudariam a fundar do Aeroclube da França.

Pierre Lagrange, em seu interessante artigo, intitulado “Ciência a serviço da arte”, publicado pela Scientific American Brasil, na sua série Exploradores do Futuro (especial Jules Verne) reconhece: “Em seus romances, Jules Verne faz um inventário dos conhecimentos científicos de sua época”. De fato, existia entre Verne e seu editor, Pierre Jules Hetzel, um contrato que colocava Jules Verne na incumbência de resumir todos os conhecimentos geográficos, geológicos, físicos, astronômicos, acumulados pela ciência moderna e refazer, sob a forma atrativa e pitoresca que lhe é própria, a história do Universo.

A respeito dos livros que nunca serão concluídos, no meu caso específico (cada um de nós terá o seu próprio exemplo), me vem a memória justamente A volta ao mundo em oitenta dias.

Não por acaso, este livro inesgotável foi um dos primeiros a ser escolhido pelos engenheiros de software do Google Books para incorporar a ferramenta que integrar o conteúdo digital de um livro à visualização interativa de lugares mencionados na história, através do Google Maps.

É deste romance, a antológica explicação, no capítulo final, do dia ganho por Phileas Fogg graças aos fusos horários (o que o torna o livro ideal para esse experimento do Google). O livro é o romance de Verne mais traduzido e publicado até hoje.

Jules Verne, nascido em 8 de fevereiro de 1828 na cidade de Nantes e morto em 24 de março de 1905, depois de uma crise de diabetes, encontra-se enterrado no cimetiere de la Madeleine, em Amiens.

Jules Verne, como escritor, parece ter atingido o que preconiza o título da impressionante escultura, criada por Albert-Dominique Roze (1861-1952), que enigmatiza seu túmulo (existem homens para os quais não existe sepultura que os caiba): Rumo à Imortalidade e à Eterna Juventude.

Imortalidade e juventude que compartilha com gerações e gerações de leitores há mais de 140 anos (desde seu primeiro livro, Cinco Semanas em um Balão, publicado em 1863). É isso: a fantástica viagem que representa a leitura de um livro de Jules Verne (talvez, o mais desconhecido dos homens) tem mesmo esse poder de nos tornar eternamente jovens.
  sd8thenovel | Oct 10, 2009 |
Exibindo 3 de 3
sem resenhas | adicionar uma resenha

» Adicionar outros autores (198 possíveis)

Nome do autorFunçãoTipo de autorObra?Status
Verne, JulesAutorautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Benett, LéonIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Butcher, WilliamTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Case, DavidNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Colacci, DavidNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Cosham, RalphNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Coumans, KikiTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Dale, JimNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Davidson, FrederickNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Frith, HenryTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Geisler, GiselaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Glencross, MichaelTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hübner, SabineTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Ingpen, RobertIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Jacques, RobinIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Johnson, EyvindTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Jones, T. LlewTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Keller, GerardTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Lewis, MercierTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Malvano, Maria VittoriaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Maraja, LibicoIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Moser, BarryIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Neuville, Alphonse deIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Prichard, MichaelNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Prunier, JamesIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Smith, Mark F.Narradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Szecskó, TamásIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Towle, George MakepeaceTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Tull, PatrickNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Walter, Frederick PaulTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Wilson, Edward A.Ilustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
xxxxxxxxautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Young, G. B.Introduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado

Está contido em

É reescrito em

Has the (non-series) sequel

Tem a adaptação

É resumida em

Inspirado

Has as a teacher's guide

Você deve entrar para editar os dados de Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Compartilhado.
Título canônico
Título original
Títulos alternativos
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Lugares importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Eventos importantes
Filmes relacionados
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Premiações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Mr. Phileas Fogg lived, in 1872, at No. 7, Saville Row, Burlington Gardens, the house in which Sheridan died in 1814.
In the year 1872, No. 7 Savile Row, Burlington Gardens -- the house where Sheridan died in 1814 -- was occupied by Phileas Fogg, Esq.
(William Butcher's translation).
In the year 1872, the house at number 7 Savile Row, Burlington Gardens - the house in which Sheridan died in 1814 - was lived in by Phileas Fogg, Esq., one of the oddest and most striking members of the Reform Club, even though he seemed determined to avoid doing anything that might draw attention to himself.
(Penguin 2004 edition translation)
Citações
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Clique para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
(Clique para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Aviso de desambiguação
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
This LT work should be the complete text of Jules Verne's 1873 novel, Around the World in Eighty Days. Please do not combine it with any abridgements, adaptations, young readers' versions, pop-up books, graphic novels, annotated editions, multi-title compendiums, single volumes of a multi-volume edition, or other, similar works based on the original. Thank you.
Editores da Publicação
Autores Resenhistas (normalmente na contracapa do livro)
Idioma original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
CDD/MDS canônico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (2)

In 1872, English gentleman Phileas Fogg has many adventures as he tries to win a bet that he can travel around the world in eighty days.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo em haiku

Links rápidos

Capas populares

Avaliação

Média: (3.82)
0.5
1 19
1.5 11
2 100
2.5 25
3 562
3.5 134
4 931
4.5 80
5 480

Penguin Australia

4 edições deste livro foram publicadas por Penguin Australia.

Edições: 014044906X, 0141035870, 0141194766, 0141331259

Tantor Media

2 edições deste livro foram publicadas por Tantor Media.

Edições: 140010131X, 140010906X

Urban Romantics

2 edições deste livro foram publicadas por Urban Romantics.

Edições: 1907832351, 1907832793

Recorded Books

Uma edição deste livro foi publicada pela Recorded Books.

» Página Web de informação sobre a editora

É você?

Torne-se um autor do LibraryThing.

 

Sobre | Contato | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blog | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Históricas | Os primeiros revisores | Conhecimento Comum | 156,980,804 livros! | Barra superior: Sempre visível