Página inicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquise No Site
Este site usa cookies para fornecer nossos serviços, melhorar o desempenho, para análises e (se não estiver conectado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing, você reconhece que leu e entendeu nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade . Seu uso do site e dos serviços está sujeito a essas políticas e termos.

Resultados do Google Livros

Clique em uma foto para ir ao Google Livros

Carregando...

The Plague (1947)

de Albert Camus

Outros autores: Veja a seção outros autores.

MembrosResenhasPopularidadeAvaliação médiaConversas / Menções
18,580249265 (3.95)2 / 605
Chaos prevails when the bubonic plague strikes the Algerian coastal city of Oran. A haunting tale of human resilience in the face of unrelieved horror, Camus' novel about a bubonic plague ravaging the people of a North African coastal town is a classic of twentieth-century literature.
1940s (23)
AP Lit (90)
To Read (65)
My TBR (4)
Carregando...

Registre-se no LibraryThing tpara descobrir se gostará deste livro.

» Veja também 605 menções

Inglês (199)  Italiano (10)  Holandês (10)  Espanhol (8)  Catalão (4)  Francês (3)  Sueco (2)  Português (Portugal) (2)  Alemão (2)  Dinamarquês (1)  Português (1)  Hebraico (1)  Todos os idiomas (243)
Mostrando 1-5 de 243 (seguinte | mostrar todas)
It's one of these books that are extremely difficult to rate for me, because I personally hated it, but I still think it was a great book, well-worth reading. I'm happy that I read it, but I don't think I'll ever reread it. ( )
  Donderowicz | Mar 12, 2024 |
it was like a dance ( )
1 vote 1ucaa | Feb 12, 2024 |
Read this book when I was maybe 15 or so in translation, along with the stranger

This time, read it again in French right on the heels of L’Etranger

A fine work with lots of insight into the human condition during times of ever present mortal danger, of course so *relevant* at a time like this, one of global pandemic and widespread death, although the mortality of the plague in question is much higher than current figures for COVID-19

I’m assuming that this book, centered on the stoic Dr Rieux is sort of l’inverse of L’Etranger. Whereas Mersault lives a life devoid of intention, alienated from even his own desires, Rieux chooses a life of activism. Camus is careful to differentiate this activism from one based on religion or ideology - it seems we are to understand Rieux as someone (like Mersault) carried along on a certain kind of current. What makes the good doctor different from the hapless narrator of L’Etranger is that his boat has a rudder.

Regardless of the fact that I’d much rather hang out with Bernard Rieux than Meursault, I think L’Etranger is the better book. What makes the story of Meursault so disturbing is that some variation of his story happens to so many people all over the world everyday- in fact, if you don’t take action to steer your life, it’s likely to happen. Despite Rieux saying to Tarrou in an eminently quotable line that he doesn’t strive to be a saint but rather a man, this book sometimes verges on a kind of existential hagiography. I guess we are supposed to see the doctor as a kind of exemplar for the rational man striving against absurdity and death, and he certainly plays this role well. But I think this is where the book shows it’s age. Camus was writing on the heels of Allied victory in WW2 and French liberation from fascist domination. The afterglow definitely seeps into La Peste, and it’s a far more optimistic book than L’Etranger. I can’t help but feel like this book’s vision of human nature has soured a bit in the intervening 70 years, not to mention that for a book based upon valorizing humanism, it barely touches on the colonial situation in French Algeria, and reduces every female character to a kind of cardboard cut out. Camus would probably be scandalized by the fact that the experience of Meursault is more relatable than that of Dr. Rieux to a modern reader. But it feels to me that the world is being overwhelmed by multiple plagues, both physiological and ideological, and there are not enough Dr. Rieuxs to turn the tide. ( )
  hdeanfreemanjr | Jan 29, 2024 |
Confesso che la prima metà de La peste mi ha terribilmente annoiato: mi è sembrato che Camus si trastullasse con la storia rimandando il momento in cui avrebbe tirato le fila (e ancora lo penso: Camus, dal basso della mia insignificanza, ti dico che qui ti sei baloccato un po’ troppo).

Questa mia insofferenza per la prima parte, però, si è portata con sé con riflessione interessante: io sono proprio il tipo di persona che minimizza i sintomi della peste perché, porca merda, non possiamo essere così stupidu da fare un accordo con le milizie libiche che torturano la gente e aspettarci che tutto vada a meraviglia. E invece c’è chi ancora se ne vanta.

Com’è possibile che una persona, di carne e sangue come me, non sia disturbata dal fatto che il governo italiano abbia di fatto appoggiato un sistema del genere? Voglio dire, non sono né particolarmente buona né particolarmente intelligente, non c’è davvero niente che mi renda speciale. Però mi repelle il superamento di certi limiti.

Perché?

Non lo so. So solo che mi è stato insegnato che esistono diritti umani considerati inalienabili dalla cultura nella quale sono nata e cresciuta. Ho solo fatto mio quell’insegnamento: l’ho lasciato diventare parte di me e dell’ideale al quale aspiro. So di non essere spesso all’altezza del mio ideale, ma mi sforzo di arrivarci.

Come ci dice Camus, la peste – la volontà e la capacità di fare del male come la nostra indifferenza di fronte a esso – è una malattia latente: bisogna vaccinarsi e ricordarsi di fare il richiamo. Non è mai eradicata una volta per tutte: meno la vediamo e meno ci ricordiamo del richiamo; più si diffonde e più diventa faticoso evitare il contagio.

La seconda metà de La peste mi ha ricordato che è importante continuare a faticare, anche quando è inutile, anche quando è senza senso. Spero solo di averne sempre la forza. ( )
  lasiepedimore | Jan 12, 2024 |
"It comes to this," Tarrou said almost casually; "what interests me is learning how to become a saint."

"But you don’t believe in God!"

"Exactly! Can one be a saint without God?—that’s the problem, in fact the only problem, I’m up against today."

The Plague is one of those essential books that I didn't read when I was younger and is part of a literary bucket-list. It's also one of those books that I puzzled over as I read it. I didn't find the book depressing at all - In fact, I found it quite hopeful and bucolic. I took away love, friendship, civic duty and hope. As I read the reviews of others, I realized that other people saw despair, hopelessness and crisis. I'm still confused by it.

Camus was an atheist and an absurdist. Since I am also both of these things, I have to believe that I read it correctly.
( )
  rabbit-stew | Dec 31, 2023 |
Mostrando 1-5 de 243 (seguinte | mostrar todas)
Extraordinary....There are things in this book which no reader will ever forget.
adicionado por SaraElizabeth11 | editarSpectator
 
Of such importance to our times that to dismiss it would be to blaspheme against the human spirit.
adicionado por SaraElizabeth11 | editarNew York Times Book Review
 
A perfect achievement.
adicionado por SaraElizabeth11 | editarNew Republic
 
Chaos prevails when the bubonic plague strikes the Algerian coastal city of Oran. A haunting tale of human resilience in the face of unrelieved horror, Camus' novel about a bubonic plague ravaging the people of a North African coastal town is a classic of twentieth-century literature.
adicionado por Lemeritus | editarWorldCat Abstract
 

» Adicionar outros autores (58 possíveis)

Nome do autorFunçãoTipo de autorObra?Status
Camus, Albertautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Brueziere, MauriceEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Buss, RobinTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Chacel, RosaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Corsari, WillyTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Dal Fabbro, BeniaminoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Gilbert, StuartTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Jenner, JamesNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Judt, TonyEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mannerkorpi, JuhaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mannerkorpi, JukkaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Meister, Guido G.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado

Está contido em

Contém

Inspirado

Tem como estudo

Tem um guia de estudo para estudantes

Você deve entrar para editar os dados de Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Compartilhado.
Título canônico
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Título original
Títulos alternativos
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Lugares importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Eventos importantes
Filmes relacionados
Informação do Conhecimento Comum em Italiano. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
'It is as reasonable to represent one kind of imprisonment by another, as it is to represent anything that really exists by that which exists not! -' ('Robinson Crusoe's preface' to the third volume of Robinson Crusoe, Daniel Defoe).
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
The unusual events described in this chronicle occurred in 194- at Oran.
Les curieux événements qui font le sujet de cette chronique se sont produits en 194., à Oran.
Le matin du 16 avril, le docteur Bernard Rieux sortit de son cabinet et buta sur un rat mort, au milieu du palier
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
"Oran, however, seems to be a town without intimations; in other words, completely modern."
The distinction can be made between men and, for example, dogs; men's deaths are checked and entered up.
"They fancied themselves free, and no one will ever be free so long as there are pestilences."
"In normal times all of us know, whether consciously or not, that there is no love which can't be bettered; nevertheless we reconcile ourselves more or less easily to the fact that ours has never risen above the average."
"You'd almost think they expected to be given medals for it. But what does that mean—'plague'? Just life, no more than that."
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
(Clique para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
(Clique para mostrar. Atenção: Pode conter revelações sobre o enredo.)
Aviso de desambiguação
Editores da Publicação
Autores Resenhistas (normalmente na contracapa do livro)
Idioma original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
CDD/MDS canônico
LCC Canônico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês

Nenhum(a)

Chaos prevails when the bubonic plague strikes the Algerian coastal city of Oran. A haunting tale of human resilience in the face of unrelieved horror, Camus' novel about a bubonic plague ravaging the people of a North African coastal town is a classic of twentieth-century literature.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo em haiku

Current Discussions

Nenhum(a)

Capas populares

Links rápidos

Avaliação

Média: (3.95)
0.5 4
1 37
1.5 8
2 151
2.5 39
3 700
3.5 194
4 1341
4.5 139
5 1052

É você?

Torne-se um autor do LibraryThing.

 

Sobre | Contato | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blog | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Históricas | Os primeiros revisores | Conhecimento Comum | 206,310,243 livros! | Barra superior: Sempre visível