Página inicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquise No Site
Este site usa cookies para fornecer nossos serviços, melhorar o desempenho, para análises e (se não estiver conectado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing, você reconhece que leu e entendeu nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade . Seu uso do site e dos serviços está sujeito a essas políticas e termos.

Resultados do Google Livros

Clique em uma foto para ir ao Google Livros

Carregando...

Brave New World (1932)

de Aldous Huxley

Outros autores: Veja a seção outros autores.

MembrosResenhasPopularidadeAvaliação médiaMenções
53,42176420 (3.94)1301
Towering classic of dystopian satire, BRAVE NEW WORLD is a brilliant and terrifying vision of a soulless society--and of one man who discovers the human costs of mindless conformity. Hundreds of years in the future, the World Controllers have created an ideal civilization. Its members, shaped by genetic engineering and behavioral conditioning, are productive and content in roles they have been assigned at conception. Government-sanctioned drugs and recreational sex ensure that everyone is a happy, unquestioning consumer; messy emotions have been anesthetized and private attachments are considered obscene. Only Bernard Marx is discontented, developing an unnatural desire for solitude and a distaste for compulsory promiscuity. When he brings back a young man from one of the few remaining Savage Reservations, where the old unenlightened ways still continue, he unleashes a dramatic clash of cultures that will force him to consider whether freedom, dignity, and individuality are worth suffering for.… (mais)
  1. 794
    1984 de George Orwell (chrisharpe, zasmine, MinaKelly, li33ieg, hpfilho, Ludi_Ling, Usuário anônimo)
    zasmine: For Orwell was inspired by it. And Orwell's 1984 is as much of a prize as it.
    li33ieg: 1984, Brave New World and Fahrenheit 451: 3 essential titles that remind us of the need to keep our individual souls pure.
    Ludi_Ling: Really, the one cannot be mentioned without the other. Actually, apart from the dystopian subject matter, they are very different stories, but serve as a great counterpoint to one another.
    Usuário anônimo: It's essential to read Huxley's and Orwell's books together. Both present the ultimate version of the totalitarian state, but there the similarities end. While Orwell argues in favour of hate and fear, Huxley suggests that pleasure and drugs would be far more effective as controlling forces. Who was the more prescient prophet? That's what every reader should decide for him- or herself.… (mais)
  2. 531
    Fahrenheit 451 de Ray Bradbury (phoenix7g, meggyweg, Babou_wk, hpfilho)
    Babou_wk: Contre-utopie, société future où l'unique but de la vie est le bonheur. Toute pratique requérant de la réflexion est bannie.
  3. 282
    LARANJA MECÂNICA de Anthony Burgess (MinaKelly)
  4. 190
    The Handmaid's Tale de Margaret Atwood (mcenroeucsb)
    mcenroeucsb: Both are benchmarks for dystopian literature.
  5. 151
    The Giver de Lois Lowry (afyfe)
  6. 163
    Nós de Yevgeny Zamyatin (hippietrail, tehran)
    hippietrail: The original dystopian novel from which both Huxley and Orwell drew inspiration.
    tehran: Brave New World was largely inspired by Zamyatin's We.
  7. 70
    The Tempest de William Shakespeare (Sylak)
    Sylak: Caliban in The Tempest has many parallels with John the Savage in Brave New World.
  8. 71
    A Revolução dos Bichos de George Orwell (sturlington)
  9. 50
    The Machine Stops de E. M. Forster (artturnerjr, KayCliff)
    artturnerjr: If you read only one other dystopian SF story, make it this one (well, you should read 1984, too, but you knew that already, didn't you?).
  10. 149
    Catch-22 de Joseph Heller (fundevogel)
  11. 50
    Do Androids Dream of Electric Sheep? de Philip K. Dick (mcenroeucsb)
  12. 72
    Never Let Me Go de Kazuo Ishiguro (sanddancer)
  13. 40
    This Perfect Day de Ira Levin (KayCliff)
  14. 40
    Daedalus; or, Science and the Future de J. B. S. Haldane (leigonj)
    leigonj: Haldane's ideas of eugenics and ectogenesis, which are laid out alongside others including world government and psychoactive drugs, strongly influenced Huxley's novel.
  15. 30
    Where Late the Sweet Birds Sang de Kate Wilhelm (rat_in_a_cage)
    rat_in_a_cage: Hinweis auf Rückentext bei »Hier sangen früher Vögel«.
  16. 86
    Stranger in a Strange Land (Uncut Edition) de Robert A. Heinlein (meggyweg)
  17. 31
    Men Like Gods de H. G. Wells (Sylak)
    Sylak: Basically a parody of Wells' own book published seven years earlier.
  18. 20
    Player Piano de Kurt Vonnegut (Usuário anônimo)
  19. 10
    Kallocain de Karin Boye (Mouseear)
  20. 10
    City of Endless Night de Milo Hastings (fannyprice)
    fannyprice: Both books play with the implications of eugenics and social classes.

(ver todas 39 recomendações)

1930s (2)
AP Lit (47)
Florida (81)
Midwest (12)
100 (14)
Read (4)
Carregando...

Registre-se no LibraryThing tpara descobrir se gostará deste livro.

Ainda não há conversas na Discussão sobre este livro.

» Veja também 1301 menções

Inglês (696)  Espanhol (25)  Francês (7)  Holandês (6)  Português (Brasil) (6)  Alemão (6)  Catalão (4)  Sueco (2)  Finlandês (2)  Italiano (1)  Eslovaco (1)  Dinamarquês (1)  Português (1)  Todos os idiomas (758)
Mostrando 1-5 de 6 (seguinte | mostrar todas)
Um clássico moderno, o romance distópico de Aldous Huxley é indispensável para quem busca leituras sobre autoritarismo, manipulação genética, ficção especulativa e outros temas que, embora tenham surgido com força durante a primeira metade do século XX, se tornam cada dia mais atuais.
Em uma sociedade organizada segundo princípios estritamente científicos, Bernard Marx, um psicólogo, sente-se inadequado quando se compara aos outros seres de sua casta. Ao descobrir uma “reserva histórica” que preserva costumes de uma sociedade anterior – muito semelhante à do leitor – Bernard vai perceber as diferenças entre esta civilização e a sua – e a partir de um sentimento de inconformismo ele desafiará o mundo. A história de Bernard se passa em um ambiente em que a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar a alienação; um universo que louva o avanço da técnica, a produção em série, a uniformidade contra a diversidade.
Muitas das previsões de Huxley vieram a ser confirmadas anos mais tarde, como a tecnologia reprodutiva, as supostas técnicas de aprendizado durante o sono e a manipulação pelo condicionamento psicológico.
Ao lado de obras como Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, e 1984, de George Orwell, que criticavam os governos totalitários de esquerda e de direita, Admirável Mundo Novo figura na lista dos livros mais relevantes e influentes de todos os tempos. O clássico de Huxley não é somente um hábil exercício de futurismo ou de ficção científica, mas um olhar acerca do autoritarismo no mundo desde que o livro foi publicado, em 1932, e que continua a nos assombrar.
  FranklinJRibeiro | Jan 13, 2023 |
Um clássico moderno, o romance distópico de Aldous Huxley é incontornável para quem procura um dos exemplos mais marcantes da tematização de estados autoritários, ao lado de 1984, de George Orwell.

Ele mostra uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford. Essa é a visão desenvolvida no clarividente romance Huxley.

Ao lado de 1984, que criticava acidamente os governos totalitários de esquerda e de direita, o terror do stalinismo e a barbárie do nazifascismo, em Huxley o objeto é a sociedade capitalista, industrial e tecnológica, na qual a racionalidade se tornou a nova religião, a ciência é o novo ídolo, um mundo no qual a experiência do sujeito não parece mais fazer nenhum sentido, e no qual a obra de Shakespeare adquire tons revolucionários.

Entretanto, o moderno clássico de Huxley não é um mero exercício de futurismo ou de ficção científica. Trata-se, o que é mais grave, de um olhar agudo acerca das potencialidades autoritárias do próprio mundo em que vivemos. Como um alerta de que, ao não se preservarem os valores da civilização humanista, o que nos aguarda não é o róseo paraíso iluminista da liberdade, mas os grilhões de um admirável mundo novo.
  matheus1berto21 | Jul 13, 2021 |
Um clássico moderno, o romance distópico de Aldous Huxley é incontornável para quem procura um dos exemplos mais marcantes da tematização de estados autoritários, ao lado de 1984, de George Orwell.

Ele mostra uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford. Essa é a visão desenvolvida no clarividente romance Huxley.

Ao lado de 1984, que criticava acidamente os governos totalitários de esquerda e de direita, o terror do stalinismo e a barbárie do nazifascismo, em Huxley o objeto é a sociedade capitalista, industrial e tecnológica, na qual a racionalidade se tornou a nova religião, a ciência é o novo ídolo, um mundo no qual a experiência do sujeito não parece mais fazer nenhum sentido, e no qual a obra de Shakespeare adquire tons revolucionários.

Entretanto, o moderno clássico de Huxley não é um mero exercício de futurismo ou de ficção científica. Trata-se, o que é mais grave, de um olhar agudo acerca das potencialidades autoritárias do próprio mundo em que vivemos. Como um alerta de que, ao não se preservarem os valores da civilização humanista, o que nos aguarda não é o róseo paraíso iluminista da liberdade, mas os grilhões de um admirável mundo novo. ( )
  Rafael.Bartoletti | Mar 31, 2021 |
Ficção inglesa. Admirável mundo novo, uma antevisão de um futuro dominado pela ciência ao qual produziu uma sociedade completamente desumanizada.
  Sonia_Silva | Dec 12, 2020 |
Excelente ( )
  heinstein | Feb 3, 2017 |
Mostrando 1-5 de 6 (seguinte | mostrar todas)
Aldous Huxley skillfully blends social critique with philosophical inquiries on the cost of sacrificing individuality for stability and technological advancement.

adicionado por vibesandall | editarBook Analysis
 

» Adicionar outros autores (131 possíveis)

Nome do autorFunçãoTipo de autorObra?Status
Huxley, Aldousautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Atwood, MargaretIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Binger, CharlesArtista da capaautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bradshaw, DavidIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Brochmann, GeorgTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Harari, Yuval NoahIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Herlitschka, Herberth E.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hernández, RamónTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Heuvelmans, TonPosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
McAfee, MaraIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mok, MauritsTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Montagu, AshleyIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Moody, PaulineTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Orras, I. H.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Rosoman, LeonardIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Salemme, AttilioArtista da capaautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Snow, GeorgeArtista da capaautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Southwick, RobertEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Szentmihályi Szabó, PéterTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
York, MichaelNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado

Está contido em

Tem a adaptação

É resumida em

Is replied to in

Tem como estudo

Tem como suplemento

Tem um guia de estudo para estudantes

Guia para Professores e Ensino

Prêmios

Distinctions

Notable Lists

Você deve entrar para editar os dados de Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Compartilhado.
Título canônico
Título original
Títulos alternativos
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Lugares importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Eventos importantes
Filmes relacionados
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Les utopies apparaissent bien plus réalisables qu'on ne le croyait autrefois. Et nous nous trouvons actuellement devant une question bien autrement angoissante : comment éviter leur réalisation définitive ?… Les utopies sont réalisables. La vie marche vers les utopies. Et peut-être un siècle nouveau commence-t-il, un siècle où les intellectuels et la classe cultivée rêveront aux moyens d'éviter les utopies et de retourner à une société non utopique moins 'parfaite' et plus libre.
(—Nicholas Berdiaeff)
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
A squat grey building of only thirty-four stories.
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Unorthodoxy threatens more than the life of a mere individual; it strikes at Society itself.
..."What fun it would be," he thought, "if one didn't have to think about happiness!"
"I don't want comfort. I want God, I want poetry, I want real danger, I want freedom, I want goodness. I want sin ... I'm claiming the right to be unhappy". "Not to mention the right to grow old and ugly and impotent; the right to have syphilis and cancer; the right to have too little to eat; the right to be lousy; the right to live in constant apprehension of what may happen tomorrow; the right to catch typhoid; the right to be tortured by unspeakable pains of every kind." ... "I claim them all".
"All conditioning aims at that: making people like their unescapable social destiny."
"No civilisation without social stability. No social stability without individual stability."
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Aviso de desambiguação
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Brave New World is by Aldous Huxley. If you have H.G. Wells as the author of Brave New World, please correct your data. Thank you.
Editores da Publicação
Autores Resenhistas (normalmente na contracapa do livro)
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Idioma original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
CDD/MDS canônico
LCC Canônico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês

Nenhum(a)

Towering classic of dystopian satire, BRAVE NEW WORLD is a brilliant and terrifying vision of a soulless society--and of one man who discovers the human costs of mindless conformity. Hundreds of years in the future, the World Controllers have created an ideal civilization. Its members, shaped by genetic engineering and behavioral conditioning, are productive and content in roles they have been assigned at conception. Government-sanctioned drugs and recreational sex ensure that everyone is a happy, unquestioning consumer; messy emotions have been anesthetized and private attachments are considered obscene. Only Bernard Marx is discontented, developing an unnatural desire for solitude and a distaste for compulsory promiscuity. When he brings back a young man from one of the few remaining Savage Reservations, where the old unenlightened ways still continue, he unleashes a dramatic clash of cultures that will force him to consider whether freedom, dignity, and individuality are worth suffering for.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo em haiku

Biblioteca Histórica: Aldous Huxley

Aldous Huxley tem uma Biblioteca Histórica. As bibliotecas históricas são bibliotecas privadas de leitores famosos introduzidas por membros do LibraryThing que integram o grupo Biblioteca Históricas.

Veja de Aldous Huxley o perfil histórico.

Veja de a página de autor deAldous Huxley.

Current Discussions

Nenhum(a)

Capas populares

Links rápidos

Avaliação

Média: (3.94)
0.5 11
1 187
1.5 41
2 674
2.5 135
3 2874
3.5 600
4 5319
4.5 546
5 4330

 

Sobre | Contato | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blog | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Históricas | Os primeiros revisores | Conhecimento Comum | 201,575,170 livros! | Barra superior: Sempre visível