Página inicialGruposDiscussãoMaisZeitgeist
Pesquise No Site
Este site usa cookies para fornecer nossos serviços, melhorar o desempenho, para análises e (se não estiver conectado) para publicidade. Ao usar o LibraryThing, você reconhece que leu e entendeu nossos Termos de Serviço e Política de Privacidade . Seu uso do site e dos serviços está sujeito a essas políticas e termos.

Resultados do Google Livros

Clique em uma foto para ir ao Google Livros

Carregando...

LARANJA MECÂNICA (1962)

de Anthony Burgess

Outros autores: Veja a seção outros autores.

MembrosResenhasPopularidadeAvaliação médiaConversas / Menções
25,830386122 (3.99)1 / 722
Told through a central character, Alex, the disturbing novel creates an alarming futuristic vision of violence, high technology, and authoritarianism. A modern classic of youthful violence and social redemption set in a dismal dystopia whereby a juvenile deliquent undergoes state-sponsored psychological rehabilitation for his aberrant behavior.… (mais)
  1. 342
    1984 de George Orwell (wosret)
  2. 262
    Brave New World de Aldous Huxley (MinaKelly)
  3. 151
    One Flew Over the Cuckoo's Nest de Ken Kesey (lucyknows, Gregorio_Roth, Gregorio_Roth)
    lucyknows: One Flew Over the Cuckoo's Nest by Ken Kesey may be paired with A Clockwork Orange by Anthony Burgess or The Outsider by Albert Camus. All three novels explore the them of society versus the individual.
  4. 122
    The Handmaid's Tale de Margaret Atwood (wosret)
  5. 62
    O Estrangeiro de Albert Camus (SanctiSpiritus)
  6. 63
    Riddley Walker de Russell Hoban (fugitive)
  7. 30
    Hoppla! 1 2 3 (French Literature) de Gérard Gavarry (bluepiano)
    bluepiano: Central character is another criminally violent leader of a gang of youths. Here too the gang use slang terms of the author's devising. Less violence, a less straightforward narration, & to me a more interesting book.
  8. 41
    A Boy and His Dog [short fiction] de Harlan Ellison (artturnerjr)
    artturnerjr: Futuristic ultraviolent teenage blues
  9. 20
    Brighton Rock de Graham Greene (John_Vaughan)
  10. 20
    The Midwich Cuckoos de John Wyndham (SnootyBaronet)
    SnootyBaronet: Teddy boys
  11. 10
    In the Penal Colony [short story] de Franz Kafka (aprille)
  12. 32
    Cloud Atlas de David Mitchell (sturlington)
  13. 87
    O Apanhador no Campo de Centeio de J. D. Salinger (SqueakyChu)
  14. 10
    Rubicon Harvest de C. W. Kesting (Aeryion)
    Aeryion: The sub-culture of designer drug use and it's effect on the gritty society within Rubicon call back to A Clockwork Orange like an anesthetized echo. The prevalent use and abuse of the potent designer neurocotic Synth and the language (Illuminese) that the addicts speak amongst themselves is a brilliant homage to Burgess's original genius! This story gave me shivers as I read through the vivid hallucinatory narrative. A must read for every fan of the genre!… (mais)
  15. 00
    Native Son de Richard Wright (Sammelsurium)
    Sammelsurium: Both of these classic novels sympathetically portray main characters who commit horrific crimes and thereafter suffer under flawed criminal justice systems. They are written from quite different perspectives, but focus on similar themes of criminal responsibility and reform.… (mais)
  16. 00
    Escape from Spiderhead {story} de George Saunders (aprille)
  17. 00
    The Butcher Boy de Patrick McCabe (kjuliff)
  18. 01
    Marabou Stork Nightmares de Irvine Welsh (SqueakyChu)
  19. 01
    A Dead Man in Deptford de Anthony Burgess (Usuário anônimo)
  20. 13
    The Loneliness of the Long Distance Runner de Alan Sillitoe (thatguyzero)

(ver todas 20 recomendações)

1960s (6)
Read (92)
Teens (7)
Carregando...

Registre-se no LibraryThing tpara descobrir se gostará deste livro.

» Veja também 722 menções

Inglês (359)  Espanhol (7)  Francês (4)  Alemão (3)  Italiano (2)  Português (Brasil) (2)  Sueco (2)  Dinamarquês (1)  Português (1)  Finlandês (1)  Holandês (1)  Todos os idiomas (383)
Exibindo 2 de 2
Que B urgess tenha julgado mal a distância entre ol cômico e o cruel, parece indiscutível. Criou um clássico arrepiante, uma sátira escabrosa aos desvios humanos, brutalidades e condicionamentos sociais que permanece até hoje uma parte visível do debate público sobre violência. Embora admita uma leitura mais liberal e antiautoritária, o romance alegórico é muito católico, moralmente confuso, e tremendamente poderoso. Exige reflexão, descreve o horror com elegância e beleza. Burgess criou uma comédia negra desconcertante e humana, não calorosa nem amável, mas sim um terrível resumo de onde o mundo foi parar. O pesadelo brilhante emprega vulgaridade ultrajante, brutalidade gritante. um pouco de comédia sofisticada e uma pitada de tragicomédia punk, para em suma meditar sobre o Bem, o Mal e o Livre Arbítrio. ( )
  jgcorrea | Oct 3, 2022 |
Publicado pela primeira vez em 1962, e imortalizado 9 anos depois pelo filme de Stanley Kubrick, Laranja Mecânica não só está entre os clássicos eternos da ficção como representa um marco na cultura pop do século 20. Meio século depois, a perturbadora história de Alex – membro de uma gangue de adolescentes que é capturado pelo Estado e submetido a uma terapia de condicionamento social – continua fascinando, e desconcertando, leitores mundo afora. Esta edição especial de 50 anos em capa dura e impressa em duas cores (preto e laranja), inclui: * Ilustrações exclusivas de Angeli, Dave McKean e Oscar Grillo * Trechos do livro restaurados pelo editor inglês * Notas culturais do editor * Artigos e ensaios escritos pelo autor, inéditos em língua portuguesa * Uma entrevista inédita com Anthony Burgess * Reprodução de seis páginas do manuscrito original, com anotações e ilustrações do autor
  matheus1berto21 | Jul 15, 2021 |
Exibindo 2 de 2
Mr. Burgess, whenever we remeet him in a literary setting, seems to be standing kneedeep in the shavings of new methods, grimed with the metallic filings of bright ideas. A Clockwork Orange, for example, was a book which no one could take seriously for what was supposed to happen in it-its plot and "meaning" were the merest pretenses-but which contained a number of lively notions, as when his delinquents use Russian slang and become murderous on Mozart and Beethoven. In a work by Burgess nothing is connected necessarily or organically with anything else but is strung together with wires and pulleys as we go.
adicionado por SnootyBaronet | editarThe New York Times, John Bayley
 
Burgess’s 1962 novel is set in a vaguely Socialist future (roughly, the late seventies or early eighties)—a dreary, routinized England that roving gangs of teenage thugs terrorize at night. In perceiving the amoral destructive potential of youth gangs, Burgess’s ironic fable differs from Orwell’s 1984 in a way that already seems prophetically accurate. The novel is narrated by the leader of one of these gangs-—Alex, a conscienceless schoolboy sadist—and, in a witty, extraordinarily sustained literary conceit, narrated in his own slang (Nadsat, the teenagers’ special dialect). The book is a fast read; Burgess, a composer turned novelist, has an ebullient, musical sense of language, and you pick up the meanings of the strange words as the prose rhythms speed you along.
adicionado por SnootyBaronet | editarThe New Yorker, Pauline Kael
 
A Clockwork Orange, the book for which Burgess — to his understandable dismay — is best known. A handy transitional primer for anyone learning Russian, in other respects it is a bit thin. Burgess makes a good ethical point when he says that the state has no right to extirpate the impulse towards violence. But it is hard to see why he is so determined to link the impulse towards violence with the aesthetic impulse, unless he suffers, as so many other writers do, from the delusion that the arts are really rather a dangerous occupation. Presumably the connection in the hero’s head between mayhem and music was what led Stanley Kubrick to find the text such an inspiration. Hence the world was regaled with profound images of Malcolm McDowell jumping up and down on people’s chests to the accompaniment of an invisible orchestra.

It is a moot point whether Burgess is saying much about human psychology when he so connects the destructive element with the creative impulse. What is certain is that he is not saying much about politics. Nothing in A Clockwork Orange is very fully worked out. There is only half a paragraph of blurred hints to tell you why the young marauders speak a mixture of English and Russian. Has Britain been invaded recently? Apparently not. Something called ‘propaganda’, presumably of the left-wing variety, is vaguely gestured towards as being responsible for this hybrid speech. But even when we leave the possible causes aside, and just examine the language itself, how could so basic a word as ‘thing’ have been replaced by the Russian word without other, equally basic, words being replaced as well?
adicionado por SnootyBaronet | editarNew York Review of Books, Clive James
 
But all in all, “A Clockwork Orange” is a tour-de-force in nastiness, an inventive primer in total violence, a savage satire on the distortions of the single and collective minds.
 
In A Clockwork Orange, Anthony Burgess has written what looks like a nasty little shocker but is really that rare thing in English letters—a philosophical novel. The point may be overlooked because the hero, a teen-age monster, tells all about everything in nadsat, a weird argot that seems to be all his own. Nadsat is neither gibberish nor a Joycean exercise. It serves to put Alex where he belongs—half in and half out of the human race.
adicionado por Shortride | editarTime (Feb 15, 1963)
 

» Adicionar outros autores (5 possíveis)

Nome do autorFunçãoTipo de autorObra?Status
Burgess, Anthonyautor principaltodas as ediçõesconfirmado
Amis, MartinPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Arbonès, JordiTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Šenkyřík, LadislavTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
信一郎, 乾翻訳autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Üstel, AzizTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Belmont, GeorgesTraductionautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Biswell, AndrewEditor and Introductionautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Blumenbach, UlrichTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Bossi, FlorianaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Brumm, WalterTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Buddingh, C.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Buddingh, W.F.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Buenaventura, RamónPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Chabrier, HortenseTraductionautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Csejdy, AndrásPosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Dagys, SauliusTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Damsma, HarmTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Fančović, MarkoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Fernandes, FábioTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Gunn, JamesPrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hollander, TomNarradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Horváth, László, Gy.Tradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Hyman, Stanley EdgarPosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Jones, BenIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Kořínek, OtakarTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Körpe, DostTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Konttinen, Moog(käänt.)autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Krege, WolfgangTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Leal Fernández, AníbalTraductorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Lundgren, CajTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Melchior, ClausEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Miedema, NiekTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Mikkin, DanKujundaja.autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Miller, RonIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Monzó, QuimIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Morrison, BlakeIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Pelham, DavidArtista da capaautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Pelham, DavidIlustradorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Quijada, AnaTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Rawlinson, MarkEditorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Rogde, IsakOvers.autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Self, WillIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Steinz, PieterPosfácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Stiller, RobertTł.autor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Trengrove, BarryJacket Designautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Uibo, UdoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Vieira, José LuandinoTradutorautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Walsh, JohnIntroduçãoautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado
Welsh, IrvinePrefácioautor secundárioalgumas ediçõesconfirmado

Está contido em

Tem a adaptação

É resumida em

Inspirado

Tem como estudo

Tem um comentário sobre o texto

Tem um guia de estudo para estudantes

Prêmios

Distinctions

Notable Lists

Você deve entrar para editar os dados de Conhecimento Comum.
Para mais ajuda veja a página de ajuda do Conhecimento Compartilhado.
Título canônico
Título original
Títulos alternativos
Data da publicação original
Pessoas/Personagens
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Lugares importantes
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Eventos importantes
Filmes relacionados
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Epígrafe
Dedicatória
Primeiras palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
'What's it going to be then, eh?'
Citações
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Goodness comes from within [...] Goodness is something chosen. When a man cannot choose he ceases to be a man.
Does God want goodness or the choice of goodness? Is a man who chooses to be bad perhaps in some way better than a man who has the good imposed upon him?
There is, in fact, not much point in writing a novel unless you can show the possibility of moral transformation, or an increase in wisdom, operating in your chief character or characters.
It's funny how the colors of the real world only seem really real when you watch them on a screen.
Then I noticed, in all my pain and sickness, what music it was that like crackled and boomed on the sound-track, and it was Ludwig van, the last movement of the Fifth Symphony, and I creeched like bezoomny at that. ‘Stop!’ I creeched. ‘Stop, you grahzny disgusting sods. It’s a sin, that’s what it is, a filthy unforgivable sin, you bratchnies!’
Últimas palavras
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Aviso de desambiguação
Editores da Publicação
Informação do Conhecimento Comum em Húngaro Edite para a localizar na sua língua.
Autores Resenhistas (normalmente na contracapa do livro)
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
Idioma original
Informação do Conhecimento Comum em inglês. Edite para a localizar na sua língua.
CDD/MDS canônico
LCC Canônico

Referências a esta obra em recursos externos.

Wikipédia em inglês (2)

Told through a central character, Alex, the disturbing novel creates an alarming futuristic vision of violence, high technology, and authoritarianism. A modern classic of youthful violence and social redemption set in a dismal dystopia whereby a juvenile deliquent undergoes state-sponsored psychological rehabilitation for his aberrant behavior.

Não foram encontradas descrições de bibliotecas.

Descrição do livro
Resumo em haiku

Biblioteca Histórica: Anthony Burgess

Anthony Burgess tem uma Biblioteca Histórica. As bibliotecas históricas são bibliotecas privadas de leitores famosos introduzidas por membros do LibraryThing que integram o grupo Biblioteca Históricas.

Veja de Anthony Burgess o perfil histórico.

Veja de a página de autor deAnthony Burgess.

Current Discussions

Nenhum(a)

Capas populares

Links rápidos

Avaliação

Média: (3.99)
0.5 12
1 111
1.5 13
2 324
2.5 50
3 1059
3.5 221
4 2471
4.5 264
5 2088

 

Sobre | Contato | LibraryThing.com | Privacidade/Termos | Ajuda/Perguntas Frequentes | Blog | Loja | APIs | TinyCat | Bibliotecas Históricas | Os primeiros revisores | Conhecimento Comum | 204,297,528 livros! | Barra superior: Sempre visível